Opinião

Carlos Matias

O populismo também é incendiário

O populismo insinua-se na análise das causas e das soluções para os incêndios rurais; simplifica o que é complexo, apontando uns quantos “culpados”, apregoa umas receitas de cartilha, elide os interesses em confronto e foge à definição concreta do conteúdo das “reformas” por fazer. Ora, aqui é que “bate o ponto”….

José Manuel Pureza

Uma nova respiração

Há movimento social em Portugal. A manifestação de jovens na Avenida da Liberdade contra a violência racista, a greve feminista e a greve estudantil pelo clima mostram essa nova vitalidade do movimento social, a sua criatividade propositiva e a sua determinação transformadora. E, mais que tudo, têm a força irreprimível da juventude.

Francisco Cordeiro

Vida ou lucro?

A polémica sobre a Celtejo foi-se diluindo com o tempo, mas os problemas de poluição no rio Tejo têm persistido.

O Bloco de Esquerda fez aprovar em reunião de câmara uma saudação especial à escola pública, que tendo sido uma das primeiras instituições da Democracia a ter de responder rapidamente à pandemia da covid-19, criando um ensino não-presencial de emergência a partir dos recursos pessoais dos professores e dos alunos, e servindo de apoio à comunidade através do acolhimento dos filhos dos trabalhadores dos serviços essenciais e das refeições que continuou a fornecer aos beneficiários da ação social escolar. 

Todos já percebemos a falta de estratégia no desenvolvimento económico do nosso concelho. Não conhecemos uma única proposta de desenvolvimento sustentável de forma a criar, novos postos de trabalho, fixando os nossos jovens no concelho. É por isso inacreditável já terem passado 33 meses após as denúncias do Bloco de Esquerda e se a estes meses juntarmos os 51 meses anteriores da sua gestão, estamo-nos a referir um total de 84 meses em que ficou plasmada a total incompetência desta maioria socialista no que se refere à preservação da aldeia do Escaroupim e há tão propagandeada aposta no turismo.

O Bloco de Esquerda tem estado deveras intrigado com o desenvolvimento recente das questões relativas aos transportes públicos coletivos. Sabendo que os responsáveis políticos deste concelho têm demonstrado toda a sua felicidade face aos novos abrigos para os passageiros dos transportes coletivos, fica a dúvida da sua verdadeira utilidade, agora que o executivo tem pautado a sua atuação pelo desinvestimento neste tipo de transportes.

Depois da exigência feita pelo Bloco de Esquerda sobre as muitas repavimentações necessárias na União das Freguesias da Glória do Ribatejo e do Granho, veio o Presidente do município dar ordem para uma brigada se deslocar até ao local, pensávamos nós para proceder ás diversas reparações necessárias, mas afinal era só para tentar silenciar os nossos eleitos, por que a “montanha pariu um rato” e poucos metros de alcatrão depois deram os trabalhos por encerrados. Um episodio lamentável, mas que demonstra a forma de atuar deste Presidente.

O Bloco de Esquerda tem sido muito crítico sobre a gestão política da maioria no que a esta matéria diz respeito. Não só no que se refere à total insensibilidade ambiental, como incapacidade de exigir medidas sérias junto da empresa intermunicipal Eco Lezíria no aumento da recolha e de eco centros no nosso concelho, como a desfaçatez em ordenar que os serviços municipais depositassem no lixo indiferenciado todo os resíduos recicláveis que estão colocados fora dos ecocentros. A publicação dos dados do INE, demonstram que a recolha de resíduos recicláveis diminuiu significativamente no nosso concelho, não por falta de empenho da nossa população, mas sim por responsabilidade sua.

Páginas