Opinião

Carlos Matias

O populismo também é incendiário

O populismo insinua-se na análise das causas e das soluções para os incêndios rurais; simplifica o que é complexo, apontando uns quantos “culpados”, apregoa umas receitas de cartilha, elide os interesses em confronto e foge à definição concreta do conteúdo das “reformas” por fazer. Ora, aqui é que “bate o ponto”….

José Manuel Pureza

Uma nova respiração

Há movimento social em Portugal. A manifestação de jovens na Avenida da Liberdade contra a violência racista, a greve feminista e a greve estudantil pelo clima mostram essa nova vitalidade do movimento social, a sua criatividade propositiva e a sua determinação transformadora. E, mais que tudo, têm a força irreprimível da juventude.

Francisco Cordeiro

Vida ou lucro?

A polémica sobre a Celtejo foi-se diluindo com o tempo, mas os problemas de poluição no rio Tejo têm persistido.

O Bloco de Esquerda fez aprovar por unanimidade em reunião de câmara uma saudação ao dia internacional dos direitos das mulheres e a tudo o que este dia representa.

No dia 8 de março celebra-se o Dia Internacional dos Direitos das Mulheres. Neste dia, evocam-se e atualizam-se as lutas travadas por tantas mulheres, em todo o mundo e ao longo de décadas, defendendo direitos civis, laborais e sociais, educação, autodeterminação e liberdade sexual. Defendendo dignidade e justiça, muitas vezes, perdendo a vida nesses processos.

A violência de género continua a ter um impacto devastador na sociedade portuguesa. Nas suas várias expressões, assenta num modelo de organização da sociedade que teima em menorizar o papel das mulheres em várias dimensões da vida: trabalho, escola, política, família. 

Reconhecemos os muitos avanços que têm sido conseguidos e que têm permitido, aos poucos, trazer mais justiça e igualdade, mas ainda há muito trabalho por fazer, nomeadamente na forma como se tratam crimes sexuais como a violação. Recordamos que o debate sobre a violência doméstica foi longo e precisou de muitas vozes para alcançar avanços legais substantivos, e num momento em que tantos casos repugnantes de violência sexual têm vindo a público é necessário retomar esta discussão. 

O Bloco de Esquerda, acusa uma vez mais o Presidente do município de prepotência, incompetência e desorientação na governação, mostrando que segue o seu próprio cronograma cego ao que se passa à sua volta, não conseguindo dar resposta às necessidades do concelho. Anunciou a disponibilidade de computadores e até agora nem vê-los… Ainda por cima com prejuízos financeiros graves para os cofres da autarquia, pois a casmurrice de não preparar antecipadamente este processo levou a que, mesmo com os preços muito mais altos, estes equipamentos estão em rutura de stocks. Apesar destas incompetências, o preço maior foi e é ainda é pago pelos alunos do nosso concelho que infelizmente vão ficando para trás.

O Bloco de Esquerda vem acusar o Presidente de continuar a desvalorizar a importância da educação e neste particular a educação superior, tendo recusado liminarmente o aumento das bolsas de estudo, mesmo após o agravamento das condições de vida das famílias com alunos no ensino superior, que agora têm de suportar custos em dois locais distintos face ao novo confinamento a que estamos sujeitos. É mais um caso de falta de sensibilidade social e educativa, um absurdo, consequente com as incoerências e incompetências a que este executivo nos tem habituado.

O vereador do Bloco de Esquerda, Luís Gomes, insurgiu-se em reunião de câmara contra o executivo socialista, face ao apoio ridiculamente pequeno prestado ao CRIB, em que, como é sabido mais de metade dos seus utentes são munícipes deste concelho e, portanto, dignos também eles do apoio público da nossa câmara.

Páginas